Resenha

{Resenha} A Rainha Normanda

Olá, aventureiros!
      Hoje tem resenha do livro A Rainha Normanda, da Patricia Pracewell.
    Aventureiros, uau! Que livro maravilhoso! Esse é o primeiro livro de uma trilogia: traduzido, Emma da Normandia (e já quero que lancem os outros livros o mais rápido possível).
     Acho muito interessante histórias de época, ainda mais aquelas que são baseadas em fatos reais. Esse livro contém esse tipo de história. A autora relatou que precisou de muito e árduo tempo para pesquisas e que a história é baseada na Crônica Anglo-Saxã[no final do livro tem uma nota da autora, onde ela faz as ligações com a história escrita por ela e a história real (muito interessante,por sinal].
     A Rainha Normanda é uma história emocionante, de luta pelo poder e pela coroa e de amor proibido. A história se passa por volta de 1002, na Idade Média.
   Emma é uma jovem normanda, bonita e forte, é prometida em casamento com o poderoso e temido rei da Inglaterra,  Æthelred II, contra sua vontade, para que houvesse um selo de paz. A esposa de Æthelred tinha acabado de morrer e deixou sete filhos que teve com o rei (ele não amava a esposa e, para ele, sua morte era insignificante).
Quem propõe o casamento ao rei é o irmão de Emma, o duque Richard, que governava a Normandia. Emma só fora conhecer o rei Æthelred no dia de seu casamento.
   Não demorou muito para que conquistasse o coração dos pequenos filhos de Æthelred, diferente do que aconteceu com um dos filhos do rei, Edmund, que a detestava.
   Para a jovem Emma, tudo aquilo era muito diferente e incomodava o fato dela estar casada com alguém bem mais velho que ela (Æthelred  tinha por volta de 35 anos) e ainda pensar na ideia de dar um herdeiro para o trono da Inglaterra.
  A história de como Æthelred  chegou ao poder é bem interessante e misteriosa. Ele tinha um meio-irmão, filho de seu pai – rei da Inglaterra- Edward, que era quem estava na linha de sucessão ao trono.

“Depois de governar por apenas três anos, o rei Edward foi assassinado, e violentamente, segundo as crônicas. Era jovem, tinha apenas 16 anos. Então, seu meio-irmão, Æthelred, foi indicado para o trono pelo witan, o conselho de nobres que assessora o rei.” (pág. 70)

     Mas, misteriosamente, Edward morre. Dizem que a mãe de Æthelred estava envolvida e o próprio Æthelred também (ele era apenas uma criança, mas as suspeitas caíram sobre ele). Æthelred conseguiu a coroa, mesmo sob essas circunstâncias. O fantasma do irmão o assombrava por toda a vida, o que fazia Æthelred  ficar atordoado.
    A realeza era repleta de disputas. Elgiva era uma mulher que queria se tornar rainha a qualquer custo. Seu pai, um dos conselheiros do rei, a ajudava, das piores formas possíveis. Elgiva foi a culpada por Emma ter perdido seu primeiro filho; ela também tinha um “caso” com o rei – não porque ela gostasse dele, mas porque ela queria o lugar que era de Emma. Swen Forkbear era o rei da Dinamarca e queria conquistar a Inglaterra e, para isso, utilizava as mais abomináveis estratégias (seu prazer era ver sangue derramado e territórios tomados).
     Em certa ocasião, o rei Æthelred decidiu atacar a Dinamarca e matar todos os dinamarqueses. Entre as vítimas, estavam a irmã e o sobrinho de Forkbear. Logo, ele buscou vingança. No livro, essa vingança é detalhadamente descrita; até Emma fez parte dessa vingança, sendo sequestrada.
      A Inglaterra passou a ser terrivelmente assolada por inimigos internos e externos. Isso seria culpa das decisões de Æthelred.

“Admitia que o casamento com Emma poderia conter a onda de ataques vikings, mas seu pai fizera um pacto com o diabo ao conceder terras a homens como Pallig.”  (pág. 102)

Athelstan, o filho mais velho de Æthelred, tinha o desejo de conquistar o reino da Inglaterra. Para complicar ainda mais a situação de Athelstan, ele se apaixonara por Emma, a rainha e atual esposa de seu pai. E o sentimento era recíproco.
O livro mostra essa paixão proibida e tentadora. Os dois chegam a se relacionar, mesmo sabendo que aquilo era pecado. É um misto de emoções quando lemos a parte de Emma e Athelstan… inevitável não torcer por eles.
A Rainha Normanda é um livro repleto de histórias de poder, conquistas e batalhas. Um romance proibido numa corte medieval.Uma ótima dica para quem gosta de romance histórico e histórias de época.

Beijinhos

Kelly Cominoti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s